quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Análise da música "Chorando e cantando"- Geraldo Azevedo.


Ontem, tentei dormir... Muitas coisas para pensar e muitas coisas para sentir... É que as emoções foram demais a noite inteira.....Que noite!
Passei o dia pensando em uma música do Geraldo Azevedo, queria partilhar com você e partilhei tudo o que entendo dela e a beleza desta interpretação, algo mesmo que me tocou e que se parece com tudo isso o que estamos vivendo, mas parece também com tantas histórias que já ouvi...E foi maravilhoso quando você me enviou a resposta sobre essa música! Achei graça quando terminei de enviar a mensagem com trechos da música “Chorando e cantando” para ti
e quando vi no meu celular, você tinha feito o mesmo! Que sintonia entre nós!

Quando Fevereiro chegar,Saudade já não mata a gente,A chama continua,No ar,O fogo vai deixar semente”

Metáforas!!!fevereiro, representa a alegria do verão e do carnaval, ou seja, a presença da pessoa alegra o outro, a saudade se vai, o fogo do desejo e do vivido entre os dois deixa mais vontade e lembranças, faz os amantes felizes...

“A gente ri a gente chora,a gente chora,Fazendo a noite parecer um dia”

Numa relação, agente ri de alegria, de besteiras faladas, graça q o outro faz, das lembranças boas e coisas engraçadas que acontecem, ri de felicidade, mas chora também de desejo, de tristeza, de saudade, de medo de perder o outro, medo de sufocar o outro com nosso amor, de vontade de ser amado igualmente, chora por tudo... a noite reresenta a tristeza que logo vira dia na presença ou na lembrança boa dos momentos entre os dois, mas a noite pode representar a solidão, a saudade...Que se vai e vira dia, a vida se ilumina quando o outro chega)

“Depois faz acordar cantando,Pra fazer e acontecer,Verdades e mentiras”

Toda relação tem fantasias e coisas reais,são os sonhos, o imaginado, o desejado... E quando elas são soltas de nós, faz agente ficar feliz,o ficar feliz é o cantar aí representado...

“Faz crer,Faz desacreditar de tudo,E depois,Depois amor ô, ô, ô, ô”

Quando se gosta de alguém, a esperança é a de ser amado, de ser feliz... E ao mesmo tempo, se há esse desejo em uma das partes, há também a insegurança de não se saber se é amado... Por isso, agente crê e não crê até que tenhamos a certeza de que se é amado... Mas, ainda assim, nada mais gostoso do q amar essa pessoa, fazer amar com quem se quer, mesmo sem saber o quanto somos ou se somos amados... É a esperança em nós, a esperança de ser amado e ao mesmo tempo, a gratificação ou prazer de se estar com quem se gosta...

“ Ninguém, ninguém,Verá o que eu sonhei,Só você meu amor,Ninguém verá o sonho,Que eu sonhei”

Claro que há muitas interpretações, mas para mim, significa segredos entre dois que não querem partilhar com o mundo sua intimidade, pode ser um amor proibido, um segredo entre quem não pode ou não quer se revelar ao mundo.... Segredos entre amantes que não podem ser declarados ao mundo ou não desejam,querem apenas viver seu amor a dois alí velado.....Tantos segredos...Coisas sem muitas demonstrações públicas...Essa música cabe há vários amores, desde aos que são amantes livres, até aos proibidos como os amores entre amantes secretos ou mesmo amores condenados pela sociedade e a mora, como o amor entre homossexuais... Serve para qualquer amor que não pode ser visto às claras ou não deseja se revelar seja lá pelo que for! Fiquei pensando tanto em tantas coisas, tantas situações vividas por tantas pessoas que conheço ou ouvi de algum modo, gente que senti bem perto de mim, apenas ao interpretar esta música... É que sou filosófica mesmo...

“Um sorriso quando acordar, Pintado pelo sol nascente,Eu vou te procurar,Na luz De cada olhar mais diferente”

O sorriso do amado parece ser de pura luz, uma luz divina representada aí pelo sol... Essa interpretação é uma divinização, uma sacralização do amado, assim como Florbela Espanca que diviniza o amado no poema “Fanatismo”, conhecido por nós na voz de Fagner, pois ele musicou esse poema. Nele, há um trecho belo onde ela diz: Tu és como Deus, principio e fim...” coisas do amor, não é? O outro é sempre grande, importante, especial demais, ofuscante, quase um Deus!

“Tua chama me ilumina,Me faz,Virar um astro incandescente,O teu amor faz cometer loucuras”

A chama do amor, o que move o outro a querer ser iluminado pela presença e o amor do amado, é o desejo grande pelo outro, o fogo brilhante da paixão, neste caso, não só o amado é divino,o amante também é divinizado pela luz do amado, pois vira o amante se torna um astro brilhante -incandescente-.... E comete loucuras pelo amado, pois esse amor é tudo...

“Faz mais,Depois faz acordar chorando,Pra fazer acontecer,Verdades e mentiras,Faz crer,Faz desacreditar de tudo. E depois,Depois do amor ô, ô, ô, ô”

E depois do amor, agente chora de prazer e acredita, desacredita no amor que deseja que seja inteiro, todo nosso....Essa musica é a cara das certezas incertas do amor.É também o medo de amar e sofrer,mas, já amando...
O EU que fala e pensa no amado não tem certeza se é amado... Mas, ama ardentemente e ainda assim nessas incertezas todas, é feliz, pois esse amor é tudo para essa pessoa.... É isso o que entendo dessa musica e queria partilhar Com você!

Beijo grande!

Greice Targino!

5 comentários:

  1. GATA GREICE...
    MUITO LEGAL SUA ANÁLISE. LEGAL NAUM, PERFEITO....

    MUITA INSPIRAÇÃO E MUITA LISONJA DA SUA PARTE SABER QUE EU IRIA GOSTAR. ADORO O GERALDO, SUAS MUSICAS. E ESTA ANÁLISE TRAS A COMPREENSÃO IMPLÍCITA PRA QUEM NAUM QUER VER....

    MUITO BOM!

    PARABÉNS...

    ResponderExcluir
  2. Sou suspeita para falar de Geraldo...
    Ficou perfeita sua análise...
    Amei!
    bju pra ti.

    ResponderExcluir
  3. "Por isso, agente crê e não crê até que tenhamos a certeza de que se é amado... Mas, ainda assim, nada mais gostoso do q amar essa pessoa, fazer amar com quem se quer, mesmo sem saber o quanto somos ou se somos amados... É a esperança em nós, a esperança de ser amado e ao mesmo tempo, a gratificação ou prazer de se estar com quem se gosta..."

    Adorei. Texto lindo. Singelo. Sublime. O amor, pra mim, é sinônimo de esperança. É a esperança que me faz, não obstante todas as decepções que vivi e que vivo, não desacreditar do amor.
    Bjos linda!

    ResponderExcluir
  4. É que somos assim, como um rio, nos deixamos fluir, nada pode nos parar, nem o passado, nem a dor, nada, nada, nada!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir